Se não fosse os Venezianos....

00:45 Edit This 12 Comments »
"O espelho nunca muda, mas todos os que olham para ele vêem uma coisa diferente"
(Autor Desconhecido)
Provavelmente você dá uma olhada no espelho antes de sair de casa. Dentro de um elevador de paredes espelhadas, é certo que aproveita para ajeitar a roupa ou o cabelo.

As superfícies que refletem a luz são tão fáceis de ser encontradas no ambiente urbano que é difícil imaginar o quanto elas foram disputadas no passado.

Tudo indica que a primeira vez que o ser humano viu seu reflexo foi na água. Isso deve ter mudado em cerca de 3000 a.C., quando povos da atual região do Irã passaram a usar areia para polir metais e pedras. Esses espelhos refletiam apenas contornos e formas.

As imagens não eram nítidas e o metal oxidava com facilidade.
Pouco mudou até o fim do século 13.
Nessa época, o homem já dominava técnicas de fabricação do vidro, mas as peças eram claras demais, e por isso não tinham nitidez.
Até que, em Veneza, alguém teve a ideia de unir o vidro a chapas de metal.

"Os espelhos dessa época têm uma pequena camada metálica na parte posterior do vidro. Assim, a imagem ficava nítida, e o metal não oxidava por ser protegido pelo vidro", diz Claudio Furukawa, pesquisador do Instituto de Física da USP.

Surgia assim o espelho como o conhecemos até hoje.Mas este era um produto raro e caro. Os chamados espelhos venezianos eram mais valiosos que navios de guerra ou pinturas de gênios como o renascentista italiano Rafael (1483-1520).

A democratização do artigo começou em 1660, quando o rei da França Luís XIV (1638-1715) ordenou que um de seus ministros subornasse artesãos venezianos para obter o segredo deles. O resultado pode ser conferido na sala dos espelhos do palácio de Versalhes.

Com o advento da Revolução Industrial, o processo de fabricação ficou bem mais barato e o preço caiu.

"Mesmo assim", afirma o antropólogo da PUC-RJ José Carlos Rodrigues, "o espelho só se popularizou e entrou nas casas de todos a partir do século 20."


Autor: Vinicius Rodrigues (Aventuras na História, Revista Veja)

12 comentários:

O Profeta disse...

Pintei em traços vibrantes
Aprisionei a beleza e a harmonia
Dancei no sabor de irreverentes matizes
Misturei a aurora com o fim do dia

Um violoncelo soltou duas notas sorridentes
Dançaram as cores de forma trágica
Os pincéis inventaram a doçura do teu rosto
Em movimentos de rodopiante mágica


Bom fim de semana



Mágico beijo

SAMUKA THEODORO OLIVEIRA disse...

Fico aqui pensando se não fosse os venesianos como seria o dia a dia das mulheres sem o espelho, são tantas coisas que foram inventadas que as vezes não damos tanta importancia assim.
Foi uma grande invensão pois não podemos viver sem ter um espelho em casa.

um abraço...

Clarinhaaa disse...

As mulheres agradecem!!!
E aquelas que não saem da frente de um, e os mais vaidosos....
De certo não teriamos tanta vaidade e inveja...
ou não..?

ai não sei... acordei agora, acho que estou meio lenta!!!
rs


beijinhos lindaaa!!

Anjo vermelho disse...

SIm o espelho nao muda mais nos mudamos e ele nos mostra a verdade porem so enxegamos oq queremos.

Bom fds!! fica com Deus.
Desculpe o sumisu mais andei ocupada.
mais estou de volta!!

Beijos enormes em seu coração!

ivone fonseca disse...

"narciso acha feio o q não é espelho.."
Linda, vou t contar uma coisa fanstastica a cerca do espelho.. em certa ocasião fui fazer um trabalho em um manicomio judiciario, e eu e outros colegas introduzimos na casa (como peça do projeto de reconstrução da identidade)um espelho (objeto não permitido durante anos devido a possiveis acidentes q poderiam ocorrer em decorrencia deste). Enfim o retorno disto foi tão barbaro q nunca em palavras eu conseguiria descrever...


bj grd t+

Lucimar Simon disse...

É isso os espelhos sao espelhos da vida, retorne sempre a eles e vera a progressao de sua vida, espelhos as vezes eu olho, sou um pouco so vaidoso, mas nao dispenso uma olhada antes de sair de casa

beijos

Zeroglota disse...

Oi linda.
Quanto ao espelho, gosto deles como retrovisores.
Mas não gosto de me ver.
Acho ele muito mentiroso!
Prefiro me imaginar diferente do que nele vejo.
Coisa de maluco, sei la.
Beijos, Sidney caetano filho,

Bleeding Angel disse...

Eu mato os venezianos! kkkkkkkkkkkkkkkkkk
ODEIO espelhos!
Bjos anjo! rsrsrs

Lu Nogfer disse...

Bem interessantes as historias que se contam sobre espelhos!A verdade é uma só:Nós mulheres nao vivemos sem eles!Precisamos deles no quarto,no banheiro,na bolsa,na carteira,no carro,na casa da amiga,no shopping,até naqueles carros parados na rua todo empoeirados.hehehe!
Otmas informaçoes!Bravo!!!

Beijos!

Roberto Ney disse...

interessante o texto...
confesso que adoro espelhos. eles me dão a segurança de que preciso, acho que por isso somos tão dependentes deles... é a necessidade de autoafirmação.
beijos

Paulo Tamburro disse...

VAQUÍRIA, belíssimo texto sobre o espelho.

Confesso que não sabia nada do que você me informou e por isso agradeço, pois meu espelho a muito tempo se quebrou(rsrs).

Aproveito pra comunicá-la que tenho um novo blog no ar que se chama: COMO ERA FÁCIL FAZER SEXO !!!, que de forma didática e pedagógiga(rsrs), aborda temas inerentes a esta saga da civilização humana: a sexualaidade.

Para ter acesso basta clicar, em qualquer um dos meus blogs, em: "VISUALIZAR MEU PERFIL COMPLETO" e lá em MEUS BLOGS, estarão os três à sua disposição.

Conto com você, mesmo!

Um abração carioca.

KOTTA disse...

História engraçada a dos espelhos. Mas não olho para eles de manhã acordo feiinha e espero que passe lol.Bjo.